A Adoração Verdadeira



Antes de comerçar-mos nosso estudo sobre o que viria a ser adoração verdadeira, não podemos deixar de frisar dois termos distintos, mas que são comumente confundidos em nossas igrejas: Louvor e Adoração.
E uma vez tendo o discernimento de Louvor e Adoração, passaremos a nos aprofundar nesse que é um tema muito extenso e sério, Adoração, aprenderemos o que é Adoração verdadeira ou falsa, e aprenderemos a discernir quando estamos adorando em verdade.

Para aprender Curso Doutor Em Teologia todo processo de aprendizado passo a passo.

LOUVOR
Segundo o Dicionário Escolar da Língua Portuguesa, do Ministério da Educação e Cultura, louvar significa elogiar; enaltecer; bendizer; glorificar; aplaudir.

O significado bíblico é mais abrangente. Compreende esses aspectos, porém vai além deles ao incluir outros elementos, quando se trata de louvar a Deus.
Segundo a bíblia, louvor é reconhecer, demonstrar agradecimento a Deus pelo que ele tem operado em nossas vidas.

Salmos 103:1-2 – Bendize oh minha alma ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga seu santo nome. Bendize ó minha alma ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios.

ADORAÇÃO
Quando pensamos em adorar a Deus, geralmente imaginamos algo que emana de nós a fim de expressarmos louvor às qualidades de Deus.
Definição de Adoração
O dicionário Aurélio define adoração como culto a uma divindade; culto, reverência e veneração.

No sentido Bíblico, adoração vai muito além de um simples culto, muito além de reverencia mas uma intimidade com Deus, é estar na presença de Deus.
Não existe, ou pelo menos não conheço, alguma passagem das escrituras que nos dê uma definição clara e direta do que viria a ser ADORAÇÂO, mas existem diversas passagens, que vamos estudar hoje, de onde podemos pressupor essa definição.

Uma frase que define adoração que me marcou e me chamou a atenção quem me deu foi o Pr. Hilquias. Uma definição tão lógica, mas que nunca eu havia parado pra pensar.

“Adoração é um estilo de Vida”

O ponto inicial para entender-mos a Adoração como estilo de vida, seria estudar a vida e experiência de duas pessoas que aprenderem esse sentido: Abraão e Paulo.

Abraão
Vamos começar nossa viagem bíblica ao passado, no século XX A.C, em Gênesis, e conhecer um pouco sobre quem foi Abraão e como foi a sua vida com Deus para entendermos o sentido da palavra Adoração.
Abraão, 8ª geração de Noé, amigo de Deus, também conhecido como o pai da fé, se pôs a obedecer a vontade de Deus quando seu povo passava fome em sua caminhada em direção a Canaã, a terra prometida.
Liderando o seu povo, enfrentou as contendas do povo contra Deus, mesmo diante todas os sinais e maravilhas que Deus operava naquele lugar, enfrentou todas as dificuldades e diversidades em nome do amor que sentia ao seu Deus.
A relação de intimidade de Deus com Abraão se deu nesse momento, quando Deus prometeu a Abraão um filho quando sua esposa tinha já 90 anos. E Abraão mostra sua total obediência ao seu Deus quando acatou o pedido de Deus para sacrificar seu filho Isaque em holocausto.
Foi nesse momento que podemos presenciar o maior ato de intimidade e adoração de Abraão para com Deus; quando ele deixa de lado toda lógica, inclusive o amor a seu filho para seguir a vontade de Deus, oferecendo seu filho em sacrifício, conforme Deus o havia pedido.

Gn 12:1 – O Senhor disse a Abraão: Sai da tua terra e da tua parentela e da casa de teu pai para a terra que eu te mostrarei.
Abraão aqui começa a viver a experiência de seguir o que é lógico aos olhos humanos saindo de sua terra para um lugar desconhecido
Gn15:1,3-6 – Depois dessas coisas veio a palavra do Senhor a Abraão em visão dizendo: Não temas Abraão, eu sou o teu escudo, teu grandíssimo galardão.
Eis que não tem me dado semente e um nascido de minha casa será meu herdeiro.
E eis que veio a palavra do Sehor a ele dizendo: Este não será seu herdeiro, mas o que sair de suas entranhas será teu herdeiro.
Então levou-o para fora e disse: Olha agora para o Céu, e conte as estrelas se as pode contar, semelhantemente será tua semente.
E creu ele no Senhor e foilhe imputado para que se fizesse justiça.

A intimidade, a relação entre Deus e Abraão era de tamanho que ambos conversavam, não em sonhos, mas em visões, e não apenas uma vez, mas várias. Como por exemplos podemos citar:
Gn12 – Deus pede a Abraão para que saia de sua terra.
Gn15 – A aliança que Deus fez com Abraão quando prometeu a ele filhos mesmo sendo avançado em idade.
Gn17 – Deus pede a Abraão sua circuncisão e de sua descendência.
Gn18 – Deus revela a Abraão sobre a destuição de Sodoma e Gomorra(Abraão questiona a Deus).
Gn21 – Desu promete que Isaac seria conhecido como semente de sua descendência. E do filho de Hagar faria uma grande nação.
Gn22 – Deus pede Isaac, seu filho em sacrifício.
Isso é adoração, ter uma vida de intimidade com Deus, viver para Deus e viver de Deus.

Avançando um pouco no tempo, ano 50 D.C. vamos conhecer outro personagem que aprendeu o sentido da palavra adoração.

Paulo
Paulo, doutor da lei Judaica, criado em uma seita dos fariseus. Quando ainda se chamava Saulo, antes de sua conversão, foi considerado o maior e mais cruel perseguidor que o povo cristão já conheceu.
Além de perseguidor ele consentia com facilidade, na execução dos cristãos da época.
Mas após seu encontro com Jesus a sua vida foi transformada. Mesmo estando ciente de todas as conseqüências de sua conversão e de sua nova posição, ele optou por pagar o preço de ser chamado apostolo de Deus, passando nesse momento a ser perseguido.

Perseguido, apedrejado, preso, não deixou de seguir ao seu Deus. Mesmo na cadeia ele adorava e louvava seu Deus.

Após sua conversão Paulo se tornou um dos um dos maiores responsáveis pela disseminação do evangelho e sobre tudo do capítulo da fé. Escreveu 14 cartas, livros no novo testamento, sendo assim um instrumento usado por Deus para escrever boa parte do Novo Testamento.

Paulo permaneceu preso em sua própria casa pelo período de 2 anos, e não foi impedido de continuar a anunciar as boas novas do evangelho.
Paulo tinha uma vida tão intima com Deus que preferia a morte que a vida, para se encontrar com Deus.

Gl2:19-20 – Porque eu pela lei estou morto para a lei, para viver para Deus. Já estou crucificado com Cristo, e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim.

Paulo era tão intimo com Deus, que Deus o escolheu dentre os homens para ver a glória de Deus, o único dentre os homens a contemplar o 3ª Céu.

Estudamos tudo isso no Curso Doutor Em Teologia de forma sistemática tema por tema.

IÇO 2:9-10 – Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus preparou para aqueles que o amam.

Nesse ponto você deve estar se perguntando... : Como saber se estou adorando a Deus em verdade ou não? Aliás, existe adoração falsa?

Visite também o blog e veja mais artigos Theologia Portal Gospel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *